SEGUE O JOGO

  • domingo, 11 março 2018 00:00
Denis Serafim está entre os destaques da temporada: clássico sem problemas Denis Serafim está entre os destaques da temporada: clássico sem problemas Douglas Araújo - ASCOM CRB

Arbitragem alagoana tem boa avaliação e apresenta novidades na temporada

 Foto Painel: Ailton Cruz

Eles são xingados, questionados, são chamados dos mais baixos adjetivos e muitas vezes são declarados culpados sem sequer um julgamento. Este é o cenário que é enfrentado diariamente pelos árbitros e assistentes alagoanos.

Mas para aqueles que não acompanham o dia-a-dia algumas mudanças foram implementadas pela Comissão de Arbitragem da Federação Alagoana de Futebol. Estas mudanças ainda estão passando por um processo de adaptação mas já trazem alguns efeitos.

A principal mudança veio aliada a tecnologia. A FAF e a CA adquiriram um aplicativo que avalia e oferta notas aos árbitros e aos assistentes. Estas avaliações são feitas por analistas treinados para dominar a ferramenta e poder ofertar um resultado mais preciso. Entre os analistas, a grande maioria é composta por ex-árbitros. Em poucos casos, a analise trouxe problemas, como por exemplo, um analista não computar cartões aplicados por árbitros em lances dos jogos. O próprio árbitro fez a observação e a nota acabou subindo no critério de avaliação não pela quantidade de cartões, mas pela aplicabilidade correta da infração.

Além do aplicativo, outra novidade é tornar pública a avaliação com as notas para os árbitros , assim como para os árbitros assistentes sendo publicadas no portal da transparência.

Torcedores, dirigentes, jogadores, membros da comissão técnica, desportistas e imprensa podem avaliar o desempenho dos árbitros através das avaliações.

CONSTATAÇÃO

Charles Hebert , presidente da Comissão de Arbitragem, explica que a ideia  não é uma novidade. “A ideia do portal da transparência, não com esta nomenclatura, tem sido utilizada pela CBF, principalmente nos campeonatos brasileiros das Série A e B. No outro dia dos jogos, a CBF publica as decisões que foram acertadas e equivocadas por parte dos árbitros. Aqui ampliamos isto colocando as notas dos árbitros. Adquirimos um aplicativo feito pela Universidade Federal de Santa Catarina junto com uma empresa chamada Iafoot, várias federações adquiriram o app, fizemos o investimento e estamos utilizando de forma a favorecer a relação dos árbitros com o segmento esportivo, dando transparência as decisões tomadas” esclareceu Hebert.

O presidente da comissão de arbitragem explica que os árbitros são avaliados com critérios consistentes e pensando sempre no crescimento da arbitragem. “Se tiverem notas inferiores a sete, eles passam por aprimoramentos e até mesmo com entrevistas com a nossa psicóloga para poderem voltar ao Alagoano”, esclarece Charles.

SATISFEITO

 

Arbitragem alagoana poderá até comandar jogos da decisão - Foto: ASCOM CSA

 

 

Comandando pela primeira vez a comissão na elite do futebol alagoano, Charles mostra-se satisfeito com os resultados, apesar de todas as dificuldades impostas pelo formato do campeonato. Primeiro por ser uma competição de tiro curto, depois por estarem sendo observados diversos árbitros e assistentes novos e por fim porque os resultados tem sido considerados bastante positivos. “Trabalho fracionado, quase todos os assistentes trabalharam com o mesmo número de jogos, os árbitros também. Campeonato curto com 44 jogos. Entre os novos, dois árbitros se destacaram: Jonata de Souza 28 e Jaine Bispo 23. Eles tiveram dois, três jogos e mostraram seu potencial”, disse Hebert.

Ele ainda ressaltou que a avaliação dos clubes é positiva, que o balanço da CA em relação a primeira fase foi bom e que existe uma expectativa positiva para as finais.  “A avaliação é de boa para muito boa. Tivemos alguns equívocos, percalços, poucos árbitros receberam notas inferiores a sete. Apenas dois árbitros e dois assistentes tiveram estas notas inferiores, o que sem dúvida é um número muito pequeno. “, defendeu Hebert.

Esta semana, a comissão reuniu os quatro clubes semifinalistas para apresentação de um balanço do trabalho realizado até agora. Os clubes demonstraram satisfação e não indicaram a necessidade de arbitragem de fora para a fase semifinal.

“Os quatro jogos das semifinais serão comandados por arbitragem alagoana. Isto nos dá a possibilidade de voltarmos a ter árbitros alagoanos fechando o campeonato. Quem sabe se não poderemos ter isto neste ano?’, indagou o presidente Charles Hebert.

deixe um comentário

Make sure you enter the (*) required information where indicated. HTML code is not allowed.